Estrela Barnard
sol-barnard-jup.jpg

Não é fácil apanhar uma estrela. Quando risca o céu de repente, mal dá tempo de fazer um pedido. Mas vamos deixar as coisas claras: estrelas de verdade não são meteoros. Elas não mudam de lugar rapidamente ou se precipitam no chão. Estrelas de verdade, como o Sol, nunca são “cadentes”.

Estrelas são sóis distantes. Bolas de gás, sobretudo hidrogênio, brilhando com a energia de poderosas reações termonucleares que ocorrem em suas entranhas. Estrelas de verdade ficam a dezenas ou centenas de trilhões de quilômetros (exceto o Sol, que arde a 150 milhões de quilômetros da sua pele).

Movimento próprio
Assim, de tão longe, esses pontinhos de luz que vemos a noite parecem fixos na abóbada celeste. Parecem… Porque mesmo as estrelas de verdade têm movimento próprio.

Não se trata do movimento de rotação da Terra, que faz com que as constelações pareçam se deslocar diante de nós, com o passar da noite. É o movimento real de cada estrela. Cada uma delas com velocidades e direções diferentes.

Muito pouco, é verdade. Uns poucos segundos de arco por ano. Para se ter uma idéia do que isso significa, a Lua Cheia tem cerca de meio grau, ou 1800 segundos de arco. Passam-se séculos na Terra para que uma estrela se desloque o equivalente ao diâmetro de uma lua cheia.

Mas isso é porque elas estão longe. Estrelas mais próximas apresentam – geralmente – movimentos maiores. Uma delas, em particular, possui um movimento próprio notável, realmente extraordinário em termos astronômicos.

É a estrela de Barnard, que fica na constelação de Ofiúco, o serpentário. Barnard é a segunda estrela mais próxima do Sol, perdendo apenas para Alfa do Centauro. Ela foi estudada em detalhes pelo astrônomo Edward E. Barnard (1857-1923), que mediu seu rápido deslocamento no céu: cerca de dez segundos de arco por ano.

A essa taxa, em menos de dois séculos (175 anos), essa estrela terá se deslocado o equivalente a uma lua cheia. Ainda pode parecer pouco mas, do nosso ponto de vista na Terra, nenhuma estrela se move tão depressa.

Trocando de lugar
A velocidade aparente da estrela de Barnard é resultado de sua trajetória atual, que a traz cada vez mais para perto do Sistema Solar – 140 quilômetros mais perto a cada segundo.

Mas nada de pânico: o que vai acontecer é que por volta do ano 11.800 a estrela de Barnard roubará a posição de Alfa do Centauro, tornando-se a mais próxima do Sol. E ainda assim estará a mais de 35 trilhões de quilômetros de Plutão, quando então irá se afastar de novo – e para sempre.

Barnard está agora a 6 anos-luz (ou 57 trilhões de quilômetros). Ela tem apenas 17% da massa do Sol e de 15% a 20% do seu diâmetro. É uma estrela velha, com o dobro da idade solar e uma coloração tipicamente avermelhada. E se há quem confunda uma estrela de verdade com uma estrela cadente, tem gente que pensa que Barnard é um planeta gigante vermelho que está vindo destruir a Terra. Mas que você não se deixe enganar por essa história barata. Barnard é pequenina, mas é uma estrela de verdade. Dê tempo suficiente e todas as estrelas se movem. Todas as constelações que conhecemos hoje estão alterando suas formas definitiva e continuamente. Estrelas de verdade não se deixam apanhar.